Jardins Garcia d'Orta

Talhão de Africa

Moçambique e Angola

Passe por entre a vegetação da floresta clara das dunas litorais da ilha de Inhaca e a savana alta das zonas interiores de Moçambique, entre grandes árvores dispersas. O deserto de Moçâmedes, em Angola, está também representado neste jardim, através da vegetação da estepe desértica e dos pavimentos de areia de cor quente e seca.

Para representar o deserto os projectistas implantaram uma plataforma levantada em degraus, que marca fortemente a entrada norte dos jardins. Dominam as cores quentes dos materiais de pedra que cobrem a plataforma, em analogia com o fenómeno geológico da baía dos Tigres (também no deserto de Moçâmedes), e a base do talhão constitui-se com vegetação rasteira de granídeas. Cada planta, na maioria catáceas, ganha uma importância exclusiva, quase escultórica, o que se ajusta à reduzida quantidade de espécies desta região.

Neste talhão escasseiam as árvores, que só aparecem nas zonas finais - representando, de um lado o embondeiro, do outro a floresta clara da ilha de Inhaca e a savana arborizada do Sul de África. O número de espécies foi reduzido ao máximo, procurando não dificultar a leitura do espaço, onde deveriam prevalecer o material inerte e uma certa simplicidade. Dominam as acácias e outras árvores, como a Garcinia living-stonei, e as granídeas altas.

Fonte: O Livro Verde - Expo 98

Especificações

  • Gomes da Silva/Instituto Superior de Agronomia - Global
Bookmaker with best odds http://bbetting.co.uk review site.